Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Retorno a Dublin

Conforme relatei na ultima postagem fui para o Brasil, após dez dias de férias por lá eis que chega a hora de retornar.

Tudo tranqüilo, saída de Florianópolis no horário, cinco hora de conexão em Guarulhos, dez horas de vôo até Madri e aí que começou a aventura.

Chegada em Madri as 6:30 da manhã, meu vôo para Dublin era as 12:25, aeroporto vazio, vou para o portão de embarque indicado na passagem e aproveito para descansar. Após algum tempo lá, saio para fazer um lanche e no retorno vou ao balcão da Ibéria confirmar sobre o portão de embarque, se realmente será este, e sou informado que sim, mas devo retornar ao balcão de informação as 11:55 para confirmação exata.

Volto ao portão de embarque e conheço a Ana, brasileira que veio estudar em Dublin, depois chega ao portão mais dois brasileiros Lauro e Ivo, ambos com destino a Dublin para estudar Inglês. Todos ja haviam passado no balcão de informação da Ibéria, e recebido as mesmas instruções.

Passamos toda a manhã em frente ao portão de embarque, apenas saímos as 11 horas, pois os outros brasileiros não tinham comido ainda, e as 11:30 retornamos ao portão de embarque. Fomos ao balcão de informação novamente, e informaram que deveríamos aguardar, 11:50 e nada de mudanças, retornamos ao balcão de informação, e os funcionários estavam agitados, pois tinha várias pessoas com atrasos e cancelamentos de vôos, e eles insistiam em dizer que tínhamos que aguardar.

Nosso vôo era as 12:25 e ficamos ali aguardando informações e questionando os funcionários e o tempo passando, até que um deles nos informou que nosso vôo ja tinha saído, e que eles haviam nos chamado no portão de embarque as 11:55 e não tinha ninguém ali.

Resumindo, ficamos discutindo várias horas, pedindo novo vôo, eles apenas dizendo que a culpa era nossa, que não podiam fazer nada, e que o próximo vôo para Dublin seria dois dias depois e que não teríamos direito a hotel.

Por fim cansados de brigar, e ver que nada mudaria decidimos comprar passagem com a companhia Aer Lingus, pois eu tinha viagem marcada para Amsterdam no outro dia, e não poderia ficar em Madri. Mas para comprar as passagens precisávamos ter certeza que nossas bagagens ja estavam em Dublin, e começou mais uma maratona, pois em cada local recebíamos informações diferentes, nesse rolo todo, um dos brasileiros (Lauro) se perdeu do grupo, assim que tivemos certeza de que elas tinham sido enviadas, nos deslocamos para outro terminal do aeroporto (tivemos que pegar um trem para checar a situação das malas e depois um ônibus para mudar de terminal).

Chegando no terminal 1 fomos em busca do guiche para fazer a compra dos bilhetes, mais uma maratona, quando achamos o guiche ele estava fechado, então decidi fazer a compra via internet, mas neste terminal só tinha aquelas maquinas com moedas, as quais eram extremamente lentas, pega moeda de um e de outro acesso feito e nada de conseguir efetuar as compras, nesse intervalo de tempo encontramos o Lauro novamente, e ele tinha conseguido fazer a troca de bilhete na Ibeira, sem custo.

Assim, decidimos retornar ao terminal 4, ir no balcão da Ibéria e tentar a troca também, só que nesta confusão, quando estava dentro do ônibus, percebi que estava sem meu passaporte, e então começou o pesadelo parte 2, retornei ao terminal 1 para procurar meu passaporte, e os outros brasileiros foram brigar novamente pela passagem, enquanto isso fui nos achados e perdidos, balcão de informação do aeroporto e por fim na polícia, onde fui informado que deveria ligar para a embaixada brasileira.

Ligo para embaixada, e sou atendido por uma mensagem gravada, informando que eles trabalham até as 13 horas e ja eram 17 horas, mas tinha um outro numero para ligar em caso de emergência. Liguei para este número e novamente é uma mensagem gravada, informando que devo gravar meu recado que eles vão retornar, assim procedi e fiquei sentado ao lado do telefone publico aguardando retorno, que não veio.

Cansado de esperar fiz todo o trajeto novamente, achados e perdidos, informação, polícia e nada. As 19 horas, ja sem esperança de encontrar meu passaporte, reencontro os brasileiros, eles desanimados que não conseguiram trocar as passagens, e iriam comprar via Aer Lingus mesmo. Quando chegamos ao guiche, que agora estava aberto, pedi para eles olharem se por acaso não tinham pego meu passaporte por engano, e eis que tenho a melhor notícia do dia, meu passaporte estava na bolsa da Ana.

Um dos pesadelos terminou, agora é só comprar a passagem e voltar. Compra efetuada, check-in feito, embarque efetuado, duas horas de vôo e BEM VINDOS A DUBLIN, fim do outro pesadelo.
















E essa foi minha aventura de volta a Dublin, meu coração com certeza esta muito bom e minha mente também, por que não foi fácil.

Para esquecer de todo este sofrimento, é chegar em casa dormir duas horas e pegar outro vôo, agora para Amsterdam, mas essa história fica para a próxima postagem.......

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Visita ao Brasil

Morar no exterior é muito bom, até o momento não vejo pontos negativos desta experiência, pois a cada desafio, dificuldade e obstáculo que encontrarmos aqui, sempre aprendemos algo e evoluímos.

Para recarregar as baterias, e começar 2011 com força total, nada melhor que visitar a família e os amigos no Brasil. Após nove meses morando em Dublin, retornei para uma visita rápida de dez dias.

A viagem de volta foi muito tranqüila, com certeza curti muito mais esse vôo, do que o primeiro quando vim para Dublin, pois tudo que é novo nos gera apreensão. Mesmo tendo que esperar sete horas em Madri e mais oito horas em São Paulo, tudo valeu a pena.

O reencontro no aeroporto com certeza é algo indescritível, você esta junto de seus pais novamente, após nove meses apenas conversando via skype e agora ter a presença física é muito bom. A chegada em casa foi excelente, amigos me esperando, casa decorada com balões, cerveja gelada e carne na churrasqueira, até me senti importante heheheheh

Consegui matar a saudade de assar carne, comer coração de galinha no espeto, uma boa feijoada, comidinha da Mamãe, ir para praia mesmo estando nublado e sentir o calor do sol, poder andar sem camisa, tomar cerveja na beira mar, andar de moto, coisas que antes eram tão normais e corriqueiras, mas que agora fazem toda a diferença.

Esses dez dias foram realmente agitados, pois você quer rever seus amigos, visitar seus familiares, enfim, tem que se programar para conseguir fazer tudo o que deseja e mesmo assim é impossível dar a devida atenção e reencontrar todos. Sei que o tempo que fiquei no Brasil foi pouco, mas consegui aproveitar cada segundo.




























Quanto a viagem de volta a Dublin, essa fica para o próximo post.

Enquanto isso, a vida segue.....

sábado, 8 de janeiro de 2011

Ano Novo e a vida segue......

2010 vai ficar marcado em minha vida, ano do meu intercâmbio, quando deixei de morar com meus pais para vivenciar uma nova experiência, outro país, outro idioma, outra cultura, novos desafios e novas amizades.

Sempre comemora-se a chegada de um novo ano, desta vez resolvi comemorar a passagem de um ano, que com certeza fará a diferença em minha vida, e para isto nada melhor que estar próximo de pessoas especiais, as quais com certeza estão fazendo a diferença nesta nova experiência.


O ponto de encontro já era conhecido da Família Dublin, meu apartamento. Nada melhor que após um dia de trabalho, outra nova experiência, estar trabalhando no dia 31 de dezembro, chegar em casa e ver que ela esta toda decorada, mas quem fez isso??? Nossa amiga Dani, Alemã que conhecemos em Oslon, veio passar a virada de ano conosco e decorou a casa conforme a tradição Germanica, e com certeza isto fez a diferença no espírito da festa.




Optamos desta fez em não fazer jantar, ficaria melhor para esta ocasião algo mais informal onde poderíamos interagir com todos os convidados, fizemos carne de forno e pão de alho, servidos na forma de aperitivo.




Todos se divertiram, comeram, beberam, conheceram novas pessoas e praticaram muito inglês, pois entre os convidados tínhamos Dario e Ilaria da Itália, Dani da Alemanha, Mie do Japão e Jan Done da República Tcheca.

Até os amigos que ja foram embora para outros paises foram lembrados:



Como em Dublin não tem nenhuma comemoração em especial para o Ano Novo ou Show de Fogos de Artifício, optamos por passar a virada de ano no apartamento e sair após a meia noite. Em alguns momentos o apartamento parecia uma boate, luzes apagadas, convidados com pulseiras fluorescentes e muita musica.


 
Depois de vários Happy New Year, abraços, e votos de muito sucesso e bla bla bla, fomos procurar mais festa no Temple Bar:


Este foi o primeiro ano novo na Europa e se ele ja começou neste ritmo indica que com certeza teremos um maravilhoso 2011.

Valeu amigos, vocês mais uma vez fizeram a diferença.

E a vida segue......